fim de ciclo

Pois é... já lá vão mais de dois anos que comecei a escrever os meus artigos semanais no Jornal Tribuna de Macau, foram precisamente 100 artigos que os leitores puderam acompanhar às sextas-feiras. Sempre com uma pequena reflexão sobre a temática da alimentação e terminando com uma receita.

Neste dia, 18 de Outubro de 2012, completou-se o ciclo, com este artigo:


FIM DE CICLO

Fim de ciclo. Eu explico, não tem a ver com o fim do mundo de que toda a gente fala, pois sobre isso cada um tem a sua visão, mais ou menos apocalíptica. E a minha aproxima-se mais da conjuntura de que vivemos a fundação de uma nova era, em que o homem irá encontrar novos valores, retornar ao que é a sua essência e ao ciclo de harmonia com a natureza que se perdeu neste longo período de desenvolvimento económico e tecnológico desenfreado. Não que se deixe de evoluir tecnologicamente. Pelo contrário, nessa evolução o homem irá colocar cada vez mais a sua inteligência ao serviço do bem-estar dos seus semelhantes e para benefício do planeta.

Não, o fim de ciclo a que me referia tem a ver com o fim destas crónicas. Comemorando hoje uma centena delas, o que me parece demasiadamente alongado no tempo, decidi que devo eu também abraçar estes sinais de mudança e dar por terminada esta colaboração que tanto prazer me deu fazer.
Embora nem sempre tenha sido original e inovadora, e muitas vezes tenha rebuscado pensamentos e reflexões daqueles que nos andam a alertar para os aspectos aqui focados, o meu objectivo terá sido conseguido se os leitores começaram a questionar a alimentação que caracteriza a sociedade actual e que se faz na maioria dos lares modernos.
Ao longo destes quase 2 anos trouxe à conversa o poder de alguns alimentos e de algumas culinárias, evidenciando as suas propriedades nutricionais. Outras vezes confrontei a alimentação e o consumo de certos alimentos com a origem de algumas das doenças actuais.
Trouxe ainda temas relacionados com as crianças, por defeito profissional, maternal, ou talvez porque serão elas a viver este novo tempo. E o nosso papel passa por ensiná-las a auto respeitar-se: criando hábitos saudáveis e sabendo manter o corpo são e harmonioso.
E vieram também à mesa os temas «faz parte da mudança». Estes arriscaram despertar os leitores para a necessidade urgente de reforma dos padrões alimentares da sociedade moderna, como o excesso de produção e de consumo, os desequilíbrios sociais e económicos que se vivem no planeta ou a preservação dos ciclos da natureza e dos recursos.
Muito ainda haveria para dizer, mas a cada um de vós caberá a continuidade destas reflexões, adaptando, se possível, padrões mais harmoniosos com a natureza e com o seu próprio corpo.
… Porque o Homem caminha sempre, e desde sempre, para o limiar da sua evolução. E imaginem o potencial, pois o que está para vir é sempre melhor do que o que já cessou!

  ACEPIPES DE PEPINO E ATUM
Cortar um pepino em rodelas uniformes de cerca de ½ cm cada. Dispor as rodelas num prato e colocar em cima de cada rodela uma colherzinha de pasta de atum. Terminar com uma rodela de azeitona ou uma alcaparra e palito.
PASTA DE ATUM: uma lata de atum desfeito, 2 colheres de sopa de maionese, coentros picados, sumo de limão, sal e pimenta. Mexa bem e reserve no frigorífico até à hora de servir.

Comentários

Mensagens populares