principios da combinação dos alimentos


ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL TRIBUNA DE MACAU, a 20 de julho de 2012

POUCAS MISTURAS
Antes de ir para férias gostava de deixar uma reflexão sobre a combinação dos alimentos e o modo como isso interfere no processo digestivo, no aproveitamento de nutrientes e na limpeza do organismo. Tudo tem a ver com as reacções químicas que se dão durante o processamento dos alimentos.
Se antigamente se comia de tudo, sem regras, sem normas, sem condições… e o organismo humano era forte e saudável, resistindo a bactérias e microrganismos nefastos; hoje em dia a modernização da alimentação trouxe-nos os antibióticos, pasteurizações, comidas processadas e aditivos, debilitando a microflora intestinal e expondo-nos a algumas fragilidades. Mais do que nunca, é preciso seguir alguns princípios básicos para manter o corpo saudável e resistente.
O princípio do equilíbrio, balanceando a nossa dieta com alimentos Yin e Yang, porque os primeiros são leves, suaves, frios, doces e vegetais e os segundos são pesados, secos, quentes, salgados e animal.
Devemos também equilibrar alimentos alcalinos e ácidos. Tendo em atenção que o nosso sangue é alcalino e a acidez favorece o aparecimento de doenças.
O princípio da individualidade, pois cada um de nós é um ser único; por isso devemos observar atentamente as nossas reações e escolher o que nos fazer sentir bem e em equilíbrio.
E adoptar o princípio do 80/20, deixando 20% do estomago vazio em cada refeição, mas também compondo o nosso prato com 80% de produtos vegetais.
E, finalmente, o princípio da combinação dos alimentos. Este tem a ver com a libertação de enzimas digestivas que, quando opostas, criam condições para a fermentação, acidez do sangue, libertação de toxinas, proliferação de bactérias, e naturalmente, a enfermidade.
Existem várias normas que podem ser abreviadas numa máxima única - fazer o mínimo de misturas. Por exemplo, não misturar proteínas com amidos (batata, pão, arroz), nem com outras proteínas (esqueça o bife com ovo a cavalo). E escolher para acompanhamento vegetais sem amido como brócolos, espargos, cebola, cenoura, couves, alface, feijão-verde, nabo, curgete, pepino, etc.
Evitar combinar alimentos ácidos com proteínas e amidos, como os cereais e ovos, com sumo de laranja, ao pequeno-almoço. E também beber sempre o leite isoladamente.
Tal como a fruta e os doces, que devem sempre ser comidos sozinhos e em estomago vazio, pois os açúcares interrompem a digestão dos outros alimentos e dá-se inicio o processo de putrefacção e fermentação.

Parecendo ser, à primeira vista, totalmente impraticável, algumas delas regras podem ser gradualmente adoptadas:
Estreie-se pela mais simples e separe as frutas e os doces das refeições principais. Ao lanche e ao pequeno-almoço opte pela fruta, mas evite misturar as ácidas (laranja, ananas, morangos) com as doces (banana, uvas, papaia).
E, como estamos no verão, experimente menus menos elaborados e seguindo as fórmulas indicadas: uma salada de vegetais sem amido com peito de frango grelhado ou salmão, uma massa primavera, um ratatui, uma sopa de feijão ou lentilhas, ou um caril de couve-flor e batata com algumas especiarias exóticas.

Ora, assim, em vez de uma receita elaborada, que viria contrariar a linha deste discurso, prefiro deixar-vos uma tabela para a porta do vosso frigorífico. Disponível em: http://www.abcompany.com/abco/aw/nutrition/food_combining.htm

Comentários

Mensagens populares